Uma noite de fondue vegano

sandra-guimaraes
Sandra Guimarães preparou o jantar para apresentar os sabores veganos diferenciados

 

Por Amanda Ferreira – Especial para a Revista Malagueta –  amandafsm.1@gmail.com

Fondue que deixa àquela sensação de estômago estufado e o corpo pedindo uma rede para balançar e curar o famoso ‘banzo’? Não, não. A culinarista (vegetal) Sandra Guimarães, de Natal/RN, residente na Palestina, veio ao Recife participar de uma noite de celebração à mesa e trouxe na bagagem a receita autoral do seu Fondue Vegano. “Nunca, em nenhum lugar do mundo por onde passei, vi esta receita ou sequer ouvi falar”, garante. “Esta é a segunda vez que vou executá-la. A primeira foi num jantar em casa. É uma receita artesanal e especial”, explica.

Foi na última sexta-feira (4) que o restaurante Fulô de Jambo, de cozinha vegana, recebeu a culinarista para celebrar o primeiro ano de funcionamento da casa. A Noite do Fondue Vegano além de atrair os comensais que extinguem carnes e quaisquer que sejam os produtos de origem animal, aguçou também o paladar de simpáticos à causa. No jantar, todos os lugares estiveram ocupados.

O protagonista da noite foi precedido por uma saladinha de folhas (alface e rúcula), rabanete, sementes de girassol, regada por um molho especial de maracujá. Já o Fondue chegou à mesa numa textura aveludada e consistência devidamente cremosa como manda o figurino. Acompanhado de batata doce, batata inglesa e…maçã, a receita agradou aos participantes da noite que foi embalada por muito Jazz.

fondue-vegano

Sobre a curiosa receita, Sandra revela alguns segredos: “Eu mesma quem faço o queijo que utilizo no preparo, à base de castanha ao invés de leite animal. A fermentação também é feita gradativamente, com bactérias do bem, assim como é feito no processo natural de confecção de qualquer tipo de queijo”, diz. Para finalizar, a dica é temperar a base com missô e sal, acrescentando o imprescindível vinho branco de sua preferência. “A culinária vegana é criativa, inovadora e deliciosa. E poder ser ativista num evento como este me deixa feliz, pois reforço que a cozinha vegetal está longe de se limitar às saladas”, afirma.

Para conhecer um pouco mais do trabalho da culinarista, acesse: www.papacapim.org. Lá ela divide outras receitas que não exigem a fermentação e descanso das bactérias, como no caso do fondue vegano, e compartilha mil e uma possibilidades da cozinha vegetal.

Leave your comment