Mercado de Cafés


Adriana Lucena e Lorena Varejão, sócias do recém inaugurado Café Pellicano, que funciona no coworking Be.Work, na Praça de Casa Forte estão investindo em cervejas artesanais e vinhos para o happy hour no jardim da casa de 500 m2 onde funciona o café. No cardápio destaque para as opções veganas como o queijo de castanha com páprica defumada e torrada de arroz, kibe de soja e o antepasto de berinjela.

Recife Coffee confirma quarta edição com 35 cafeterias

O circuito de cafés especiais mais aguardado de Pernambuco, o Recife Coffee, confirma a realização da quarta edição de 02 de maio a 02 de junho. Neste ano, participam 35 cafeterias do Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Porto de Galinhas e Petrolina. Com organização da Associação dos Empresários de Cafeterias de Especialidade de Pernambuco (ASCAPE), o festival será lançado no próximo dia 28, no “Café na Rua”, no Recife Antigo, com oficinas, palestras, venda de produtos e distribuição gratuita de mais de 3 mil cafezinhos.

Com a proposta de fortalecer o mercado de cafeterias autorais, com atendimento mais próximo do cliente e que trabalham com grãos especiais, o festival surgiu com o famoso “cartão infidelidade”. “Sete amigos e donos de cafeterias do Recife tiverem a ideia de ‘trocar os clientes’ e fazer um mini-circuito, em 2015, tendo o objetivo de desenvolver o hábito de tomar café especial. Deu tão certo que, em 2016, virou festival, com a participação de 15 estabelecimentos. De lá pra cá, só cresceu”, lembra a presidenta da ASCAPE, Roberta Araújo.

Cresceu tanto que o evento foi ultrapassando as fronteiras do Recife a cada edição. Entram no circuito Olinda (Olinda Café e Zoco Café), Jaboatão dos Guararapes (Fridda Café) e Porto de Galinhas (Moinho do Porto e Café da Moeda). Neste ano, o festival chega ao sertão, com a participação do Café de Bule, de Petrolina. Já Ella Café, Amai Café, Castigliani, Coffee Cube e Confitaria Cake and Coffee são cafeterias recifenses que também fazem parte do festival pela primeira vez.

Na capital pernambucana, as veteranas são: A vida é bela, Café com dengo, Café do Bonde, Café do Brejo, Café Lumiére, Café mais Prosa, Cordel Cafés, Dom Afonso Café, Ernesto Café, Fervo Coffee Shop, GrãoCheff, Kaffe, Lalá Café e Cozinha Afetiva, Leiva Café, Livraria da Praça, Livraria Jaqueira, Mon Cher, Malakoff, Na Venda Café, Orgânico 22 e Tokyo’s Café. A sugestão do barista, oferecida por todas as cafeterias participantes custa R$ 25,90, incluindo um café, um salgado e uma sobremesa.

Nesta edição, a expectativa da organização é que 55 mil pessoas circulem pelas cafeterias durante o período do festival. “Ano passado, foram movimentados R$ 520 mil, aproximadamente, com a venda de 20 mil sugestões do menu especial fechado do festival. Na edição, a previsão de crescimento é de 10%, em relação a 2018. Mas, indiretamente, o evento movimenta bem mais, pois as pessoas acabam consumindo outros produtos das cafeterias, durante visitas motivadas por causa do Recife Coffee”, explica Roberta.

Assim, a partir da união desses estabelecimentos, o festival também mostra a força do pequeno negócio. Entre as regras para uma cafeteria participar do festival, a casa tem que ter um barista, profissional especializado em extrair as melhores características do café, e não pode ser franquia.

No dia do café, 14 de abril, Pernambuco comemora crescimento na produção, venda e negócios na área

Expresso ou coado, com leite ou canela, no início da manhã ou no fim da tarde, não importa como e nem quando, difícil é resistir a um bom cafezinho. A bebida – que cada vez mais atrai admiradores pelo aroma e sabor – tornou-se a matéria prima de um negócio que está conquistando os pernambucanos: as cafeterias. Em contínuo crescimento, esses empreendimentos inovam todos os dias e investem cada vez mais na diferenciação de seus produtos, com os cafés especiais, na produção e torrefação de insumos próprios e até no lançamento de pacotes de café com marca própria para venda.

Amante de café, o advogado Gabriel Guaraná, 32, é um dos que torcem pelo fortalecimento das cafeterias autorais. Para ele, há alguns anos era difícil achar na Região Metropolitana do Recife um lugar para tomar um café especial. Atualmente, a variedade de estabelecimentos tem feito surgir um novo hábito de consumo entre os pernambucanos e turistas que visitam o estado. “Quando aqui não tínhamos tantas opções, matava minha vontade nas viagens, sempre incluindo cafeterias no roteiro. Hoje, frequento diversos cafés aqui mesmo. Gosto dos ambientes dos estabelecimentos e faço questão de visitá-los, às vezes com um bom grupo de amigos”, afirma Guaraná.

“Um bom café não depende somente da qualidade do grão, mas também da maneira como a bebida é preparada e servida. Ambientes confortáveis, intimistas e elegantes têm sido a tônica das cafeterias em todo o mundo, bem como na cidade do Recife e no estado de Pernambuco”, afirma Valéria Rocha, analista e gestora do projeto de alimentos e bebidas do Sebrae/PE. Atualmente, o Sebrae conduz formações periódicas para 35 donos de cafeterias do estado, desenvolvendo suas gestões e aperfeiçoando seus produtos, garantindo que possam agradar cada vez mais seus clientes e produzir um ambiente empreendedor cada vez mais competitivo e produtivo.

Segundo a Associação Brasileira de Cafés Especiais, o segmento do café representa, hoje, cerca de 12% do mercado internacional da bebida. Pernambuco é o segundo maior produtor de café do Nordeste, com cerca de 4,8 mil hectares cultivados, o que gera, anualmente, R$ 8,5 milhões em vendas. Garanhuns, Taquaritinga do Norte, Jurema, Brejão, Saloá e Paranatama, concentram 80% da produção estadual.

É nesta região do Agreste pernambucano, mais precisamente no município de Taquaritinga do Norte, que vem um dos melhores cafés especiais do país. O café Yaguara é cultivado e produzido em uma área privilegiada pela geografia, que mesmo com períodos de estiagem consegue manter a alta qualidade do grão. De acordo com Tatiane Peebles, uma das proprietárias da fazenda, a qualidade do café Yaguara é fruto de um rigoroso processo que vai do cultivo até a xícara do consumidor final. “Para começar, não plantamos os pés de cafés enfileirados como no Sudeste. Aqui, elas são plantadas juntas de árvores frutíferas, cerca de 20 mil mudas por ano, que crescem à sombra e sem a ação de pesticidas”, afirma.

Além de abastecer as principais cafeterias e restaurantes de Pernambuco e outros estados brasileiros, a Yaguara exporta para o Japão, já há 15 anos, e também vende o café por meio de uma loja virtual no site www.yaguara.com.br. O café Yaguara é vendido em embalagens de 250g a 1Kg que variam de R$ 22 a R$ 88. A empresa garante que a torra do café é feita somente quando recebem a encomenda. Com a torra mais fresca, os consumidores podem saborear o café nas suas duas primeiras semanas de vida, após esse período, o produto exposto ao ar tem o aroma e o sabor comprometidos.

Outro forte exemplo do desenvolvimento do setor em Pernambuco é a Kaffe Torrefação e Treinamento, uma das empresas de maior destaque do ramo no estado atualmente. A empresa abriu as portas no começo de 2017, já oferecendo cursos de formação de baristas, além de torrar o café, vender o insumo pronto em embalagens próprias e comercializar a bebida em vários tipos e modelos em um ambiente intimista.

Atenta às oportunidades de negócio, Lidiane Santos, proprietária da Kaffe, passou a oferecer mais um tipo de serviço no empreendimento, o de executar a torrefação do café especial que compra e fornecê-lo sob encomenda para outras cafeterias, restaurantes e empórios, já com embalagens personalizadas de cada estabelecimento, para que possam usar e revender para o consumidor final também.
“Participar do Programa de Desenvolvimento da Gestão do Sebrae foi fundamental para entendermos melhor o nosso negócio. A gente já sabia o que queríamos, mas quando vamos para a prática as coisas não são tão simples. Foi com esse programa que estruturamos nosso plano estratégico e que entendemos nossos pilares de atuação – que hoje são três”, afirma Lidiane Santos.

De acordo com o Sebrae/PE, a maior parte das marcas de cafés comercializadas em 2011 na Região Metropolitana do Recife (RMR) vinha da Região Sudeste, com destaque para os estados de São Paulo e Minas Gerais (55% e 25%, respectivamente, de representação). Em 2018, as empresas Pernambucanas juntas já tinham assumido a liderança do comércio do café no estado. As principais marcas são a Kaffe, a Café do Brejo, Grão Chefe, Cordel Café e a Yaguara.

A marca de Gabriel Althoff, o Café do Brejo, começou a investir na plantação própria em 2017. A primeira colheita deverá ser feita em 2020. Hoje, assim como a Kaffe, a marca já atua com torrefação e cursos profissionalizantes, mas decidiu investir no plantio próprio para poder vender também cafés especiais pernambucanos. Com um sítio de sete hectares em Triunfo, próximo ao ponto mais alto de Pernambuco, o empresário e produtor rural espera fazer 300 sacas de café especial por ano. “Estamos muito positivos com esse projeto que é bastante inovador. Todo o nosso processo de colheita será feito à mão, garantindo a qualidade do nosso produto desde o começo”, conta.

Com o café no gosto do paladar de todo pernambucano, o boom das cafeterias não seria diferente no Sertão. Em Petrolina, um dos principais destaques é o Café do Bule, que já se tornou parada obrigatória para quem aprecia um bom café. A cafeteria conta com boa comida, um ambiente acolhedor, e, claro, cafés especiais. Em 2019, pela primeira vez participará do Recife Coffee, sendo a primeira empresa da região a participar desse evento, que valoriza e incentiva o consumo do café especial.

Sobre o Café Especial

Para o café receber a certificação de “especial” e garantir ao consumidor a melhor experiência com a bebida, o produto precisa ser submetido à rigorosa avaliação da Associação Brasileira de Cafés Especiais. A entidade julga todo processo de produção, desde o cultivo, passando pela colheita e torra até chegar à xícara. As notas variam entre 60 e 100 pontos e, acima de 80, o café é classificado como especial. A pontuação determina a diferença entre os especiais e os produtos considerados gourmet. Além do tipo do grão, a qualidade da água, a compactação do pó do café e o tempo de extração da bebida também ajudam a determinar se um café é especial ou não. Ao contrário do café gourmet que pode ser encontrado facilmente em supermercados, o especial está à venda em empórios e cafeterias. Embalagens de 250g custam de R$15 a R$40, e as de 1Kg podem chegar a R$250. Depois de aberto, o café especial deve ser consumido em até três semanas no máximo, depois disso ele pode oxidar.

Geografia das cafeterias

Em pesquisa de 2018, o Observatório Empresarial do Sebrae-PE mapeou geograficamente as principais cafeterias do Recife. O motivo da pesquisa deve-se ao fato da grande quantidade de empresas desse segmento na capital pernambucana, além do consequente crescimento do consumo e da produção de café no estado, sobretudo nos últimos anos. Como resultado do mapeamento, chegou-se a um quantitativo de 109 cafeterias presentes na RMR. A maior concentração de cafeterias foi identificada nos bairros de Boa Viagem (31 empreendimentos), Santo Amaro (11 empreendimentos) e Recife Antigo (08 empreendimentos). Destaca-se a proximidade geográfica entre esses empreendimentos. É possível observar também o movimento de abertura de cafeterias nos bairros de menor renda, como Ipsep, Ibura e Imbiribeira, bem como nas cidades médias do interior do estado de Pernambuco. Estratégias de fidelização de clientes e diferenciais no atendimento e no ambiente destacam-se entre as cafeterias da cidade. Na periferia surgiram novas demandas, a exemplo daquela por mais conectividade nos estabelecimentos – já que o consumidor recifense, refletindo o quadro nacional, está cada vez mais bem informado, conectado às mídias e possui fortes características urbanas e metropolitanas.

Café à vontade

Aos apreciadores de café, o Bugan hotel by Atlântica Recife – que entrou em operação há três meses, em Boa Viagem – passa a disponibilizar cafeteira nos quartos da nova categoria luxo. A ideia é que o hóspede possa saborear a bebida à vontade durante toda a estada, a hora que quiser e ainda desfrutando de toda a comodidade no quarto de 24 m² de alto padrão. Os clientes também encontrarão roupão, pantufa e chaleira como mimos.

Meraki Café, o prazer milenar do café artesanal

“O café é a bebida que desliza para o estômago e põe tudo em movimento”, dizia o escritor francês Honoré de Balzac (1799 -1850), que tinha no consumo um dos seus hábitos de trabalho, impulsionando uma produção automática por 15 horas diárias. E o movimento do café continua até os dias de hoje, de várias formas e para todos os gostos, encantando diversas pessoas de personalidades distintas, porém com mesmo prazer.

Plaza Shopping promove Estação do Café

O pernambucano tomou mesmo gosto pelo hábito de tomar café. Seja para bater-papo, numa reunião de negócios ou num encontro com alguém especial, ele virou protagonista e está cada vez mais presente no nosso dia a dia. Pensando em proporcionar experiências com a degustação da tradicional bebida, o Plaza Shopping promove, de 24 de agosto a 2 de setembro, a Estação do Café.